PGR pediu abertura de inquérito para investigar Romero Jucá (PMDB)

25 de maio de 2017 - 23:40 | por Redação
PGR pediu abertura de inquérito para investigar Romero Jucá (PMDB)
Brasil
0

A Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) abertura de inquérito para investigar o senador Romero Jucá (PMDB-RR) pela suspeita dos crimes de peculato e corrupção. O pedido será relatado pelo ministro Dias Toffoli.

De acordo com a procuradoria, o senador foi citado no depoimento de uma ex-contadora da Confederação Brasileira de Tênis (CBT) em 2014, em um procedimento que apura desvios de recursos públicos na entidade. Segundo a PGR, o senador teria recebido propina para favorecer intermediar um contrato de patrocínio esportivo dos Correios com a CBT.

Em nota, a assessoria do parlamentar informou que Jucá vai prestar esclarecimentos à Justiça. “Em relação a inquérito aberto hoje pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, o senador Romero Jucá afirma que ainda não teve conhecimento do processo mas está à disposição da Justiça para esclarecimentos”, diz o texto.ABr

Nota da Redação:

O peemedebista Romero Jucá é o autor da célebre frase “ Tem que estancar essa p…..), em uma fase da Operação Lava Jato, dirigindo ao núcleo do PMDB. Também é de sua autoria a seguinte:

Se acabar o foro, é para todo mundo. Suruba é suruba. Aí é todo mundo na suruba, não uma suruba selecionada”,  na função de  líder do  governo no Senado, quando da discussão no Congresso da PEC que retira foro privilegiado para magistrados e MP.

Ele foi homenageado nesse período no aeroporto de Boa Vista, Roraima, aos gritos de golpista e canalha!

Sobretudo, Jucá  foi o sustentáculo, no Senado, do ex todo poderoso deputado do PMDB, Eduardo Cunha, na condução do golpe contra Dilma Roussef.

Por falar em Cunha, sua esposa, a jornalista Cláudia Cruz foi absolvida hoje por Sérgio Moro,  acusada dos  crimes de lavagem de dinheiro e de evasão fraudulenta de divisas.

Pela decisão ela não agiu com dolo ao manter conta na conta na Suiça com mais de US$ 1 milhão, durante 7 anos, cujo recurso supostamente era oriundo de pagamentos de propina a Eduardo Cunha, com os quais pagou despesas de cartão de crédito.

Moro considerou na decisão que  faltou ‘prova suficiente de que (Cláudia Cruz) agiu com dolo’ .

De acordo com o Ministério Público Federal, Cláudia Cruz era a única controladora da conta em nome da offshore Köpek, na Suíça.

Foto: ABr

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *