Nota da Forania de Mariana

20 de junho de 2016 - 13:19 | por WWFA
Nota da Forania de Mariana
Cidades
0

“Perseverem no amor fraterno. Não descuidem da hospitalidade”(Hb 13,1-2)

 

O rompimento da barragem de Fundão, ocorrido há sete meses, em Bento Rodrigues, município de Mariana, transtornou a vida de milhares de pessoas ao longo de toda a Bacia do Rio Doce. As ações da Samarco para mitigar, reparar e indenizar os incalculáveis danos desse que é o maior crime ambiental do país, e um dos maiores do mundo, estão longe de colocar fim ao drama vivido pelas famílias atingidas.

As sete paróquias da Forania de Mariana têm acompanhado, com fraterna atenção, as famílias de Bento Rodrigues e de Paracatu de Baixo, que tiveram  seu patrimônio destruído pela lama. Acolhidos nas comunidades de nossas paróquias, estes nossos irmãos e irmãs ainda vivem a aflição da incerteza quanto ao seu futuro. Em seu rosto, já se fazem sentir o cansaço de reuniões intermináveis, a ansiedade pela reconstrução de suas casas e retorno ao seu aconchego, a insegurança quanto às indenizações a que têm direito, o medo de não serem reparados de forma justa e tantos outros sentimentos que não conseguimos descrever.

Passados sete meses da tragédia, nossas comunidades são conclamadas a intensificar seus gestos de acolhida e de solidariedade aos queridos irmãos e irmãs de Bento Rodrigues e Paracatu de Baixo. Eles não são pessoas que invadiram nossa cidade e mudaram sua rotina. São marianenses, irmãos e irmãs nossos a quem devemos acolher com nosso amor fraterno. Eles são vítima da irresponsabilidade dos que causaram este desastre e nada do que recebem ou venham ainda a receber será suficiente para reparar as perdas que tiveram. Não nos suceda que, por causa da grave crise econômica pela qual passa o nosso município, intensificada por essa tragédia, aumentemos a dor destes nossos irmãos e irmãs com o preconceito e a discriminação. Eles não merecem isso!

Compreendemos a aflição dos que desejam o imediato retorno das atividades da Samarco a fim de que seja garantido o emprego dos trabalhadores e trabalhadoras que dele dependem para sustentar suas famílias. Somos solidários também a esses irmãos e irmãs. Ao lutar por esse direito, é preciso ter claro, no entanto, o insubstituível papel dos órgãos aos quais compete estabelecer, de acordo com a lei, as exigências e normas de segurança a serem cumpridas pela empresa. Do contrário, podemos trocar os papéis transformando em réus os que foram vitimas da tragédia, aumentando ainda mais sua dor e sofrimento.

Não nos esqueçamos: a economia tem que estar a serviço da vida, conscientes de que “para se conseguir continuar a dar emprego, é indispensável promover uma economia que favoreça a diversificação produtiva e a criatividade empresarial” (Papa Francisco, Laudato Si, 129). Lamentamos as demissões que atormentam inúmeras famílias em nosso município e fazemos um apelo a que as empresas reconsiderem suas decisões.

Guiados pela fé cristã que nos anima e enche de esperança, peçamos a Jesus Cristo, por meio de Nossa Senhora do Carmo, padroeira do município, a graça da perseverança na prática do amor fraterno e da hospitalidade.

Mariana, 17 de junho de 2016

Côn. Nedson Assis Pereira – Pároco da Paróquia Nossa Senhora da Assunção – Mariana

Pe. Darci Fernandes Leão – Pároco da Paróquia Bom Jesus do Monte – Furquim

Pe. Geraldo Barbosa – Pároco da Paróquia Sagrado Coração de Jesus – Mariana

Pe. Geraldo Martins Dias – Pároco da Paróquia Nossa Senhora da Glória – Passagem de Mariana

Pe. José Geraldo Coura – Pároco da Paróquia Nossa Senhora da Conceição – Cachoeira do Brumado

Pe. Reginaldo Coelho da Costa – Administrador Paroquial das Paróquias São Caetano – Mons. Horta e São Sebastião – Cláudio Manuel

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *