Governador Fernando Pimentel recebe relatório final da Comissão da Verdade em Minas Gerais

14 de dezembro de 2017 - 10:58 | por Redação
Governador Fernando Pimentel recebe relatório final da Comissão da Verdade em Minas Gerais
_
0

O governador Fernando Pimentel recebeu nesta quarta-feira (13/12), no Palácio da Liberdade, em Belo Horizonte, o relatório final da Comissão da Verdade em Minas Gerais (Covemg). O documento é resultado de quatro anos de pesquisa sobre as violações dos direitos humanos ocorridas no Estado entre 1946 e 1988, especialmente as cometidas durante a ditadura militar (1964-1985).

Para Fernando Pimentel, a cerimônia é um desagravo aos que lutaram contra o regime militar. “Nós estamos no mesmo Palácio que abrigou os golpistas de 1964. Dali saiu o golpe de 64 e, agora, tantos anos depois, recebe este Palácio os resistentes da ditadura militar para esse ato simbólico. Quis a história, a vontade do povo e a graça de Deus que fosse eu o governador do Estado nesse momento. Sou muito grato a essa trajetória que me colocou aqui e muito consciente do que ela representa, não para mim, pessoalmente, mas para todos nós”, afirmou.

O governador fez um paralelo entre os valores do período democrático com as vozes de grupos e pessoas que pedem a volta da ditadura militar.  “O país atravessa um momento sombrio, em que a própria democracia é questionada por brasileiros, certamente equivocados, mas que têm a sorte de poder bradar os seus gritos de guerra, antidemocráticos, em um regime em que eles não correm o risco de serem presos, assassinados, torturados por terem a sua opinião política. Que sorte a deles que nós tenhamos lutado com todo o povo brasileiro, reconquistado a democracia e que, agora, eles possam bradar pela ditadura sem correr o risco de serem assassinados ou se tornarem desaparecidos políticos como tantos companheiros nossos”, disse.

Segundo Fernando Pimentel, o trabalho da Comissão servirá para compor o acervo do futuro Memorial dos Direitos Humanos, que será instalado no prédio onde funcionou a antiga sede do Departamento de Ordem Política e Social (Dops), local identificado pelo relatório da Comissão da Verdade como um dos espaços de tortura em Belo Horizonte.

“Queremos fazer isso já no ano que vem, quando serão comemorados os 50 anos das Jornadas de 1968, que muitos aqui participaram, que muitos de nós aqui se mobilizaram e alguns até começaram a sua militância ali”, recordou.

Para o secretário de Estado de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania, Nilmário Miranda, o material irá permitir que os jovens de hoje possam conhecer o que realmente aconteceu na época da ditadura. Segundo ele, “com toda a imperfeição, a humanidade não inventou nada melhor do que a democracia”.

“Os jovens defendem a volta da ditadura por desconhecimento. As escolas não ensinam isso, as pessoas não têm aonde buscar. Agora é diferente. É o Estado que está produzindo informações confiáveis, baseadas em documentos, lastreadas, que serão colocadas à disposição das escolas de Minas Gerais e dali passar para esta e para as futuras gerações. Não é para remexer o passado. É para o passado iluminar o futuro, para que as novas gerações tenham essa forte consciência democrática”, afirmou. 

 fOTO: Marcelo Sant’Anna

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *