Espaço de fazenda urbana utiliza rejeito da Samarco

17 de maio de 2017 - 20:06 | por Redação
Espaço de fazenda urbana utiliza rejeito da Samarco
Ambiente
0

As alternativas para o uso dos rejeitos da mineração  tem sido estudadas pela empresa e várias possibilidade de aproveitamento do material  já são opções  de utilizações diversas.

Os resultados das aplicações do rejeito em pavimentação e coloração da madeira plástica, podem  ser vistos a partir de agora, no projeto da BeGreen,  fazenda urbana inaugurada no dia 11/05 na capital mineira.

Por meio de parcerias estabelecidas com empresas, a Samarco forneceu rejeito arenoso e lama para os produtos que foram utilizados na pavimentação do espaço e no mobiliário. No local estão sendo cultivadas e comercializadas hortaliças orgânicas, diminuindo a distância entre produtores e consumidores.  Todo o projeto urbanístico da fazenda foi concebido com a premissa de utilização de materiais recicláveis, desde a pavimentação do piso, concepção das instalações elétricas até o mobiliário do local.

Para a produção de blocos intertravados, usados no piso da fazenda, foi utilizado rejeito arenoso da empresa. “Está provada tecnicamente a viabilidade do uso do rejeito arenoso em substituição à parte do volume de areia na produção destes blocos, que trazem a mesma segurança e durabilidade de um bloco feito com areia e brita. Além de ser mais ecológico”, afirma José Eli Goulart, gerente técnico comercial da Uni-Stein, empresa fabricante  dos blocos usados na pavimentação da fazenda da BeGreen.

A Samarco também forneceu lama para a produção de madeiras plásticas, usadas na fabricação de decks, mesas e cadeiras para o espaço.  A lama é usada como pigmento que, por ser inorgânico, é considerado mais durável para dar coloração às madeiras produzidas com aparas de plástico e fibras vegetais. As peças foram fabricadas pela empresa Ecoblock.

Bem antes do rompimento da barragem, a mineradora desenvolvia com essas empresas estudos para aproveitamento de rejeitos. Os estudos também contaram com a parceria do Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear (CDTN).

 Experiência

Em 2013, uma área de 2 mil m² no município de Guarapari (ES) foi pavimentada com blocos intertravados similares aos do espaço da BeGreen. A Samarco também já utilizou o mesmo tipo de bloco na reconstrução da cidade de Barra Longa (MG), fabricados com o sedimento retirado da Usina Hidrelétrica Risoleta Neves (Candonga).

Um dos objetivos da empresa é o contínuo desenvolvimento e consolidação de novas tecnologias que visem aproveitar os resíduos e rejeitos da mineração, inclusive no desenvolvimento de negócios e na concepção de outros produtos.

 

Imagem: Marcus Desimoni/Nitro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *